quarta-feira, 20 de maio de 2015

FORMAÇÃO CONTINUADA

FORMAÇÃO INTEGRAL, PERCURSO FORMATIVO DA EDUCAÇÃO BÁSICA


A renovação da Proposta Curricular do Estado de Santa Catarina ocorre em face dos desafios atuais que perneiam o campo educacional, contudo, tendo como atual sua base teórico-metodológicas.
A transformação do modelo tecnicista hegemônico, no campo da educação, para uma abordagem histórico-cultural, apresenta-se como uma alternativa de compreensão e transformação no processo de ensino e aprendizagem, e desenvolvimento humano.
Cabe ressaltar que a atualização da Proposta Curricular manifesta algum pluralismo teórico-metodológico, expressando o próprio movimento político e epistemológico presentes nos debates contemporâneos sobre a educação, bem como possíveis contradições deles decorrentes.
A atualização resulta, pois, da atividade coletiva de diferentes grupos de professores e gestores educacionais. Proveniente, das redes de ensino estadual, municipal, federal e privado.
A plataforma disponibilizou espaços interativos denominadas salas do saber. Os participantes tiveram acesso as webs conferências aos textos anteriores da Proposta Curricular de Santa Catarina, a fóruns e textos complementares que compuseram a totalidade do material de apoio para este movimento de atualização. A metodologia de trabalho em síntese, constitui em processo de leitura, discussão e produção de textos, considerando-se as contribuições dos professores das redes inscritas na plataforma.
O presente documento está estruturado em duas relações: a primeira é dedicada a apresentar o resultado das discussões sobre a Educação Básica e a formação integral. Na segunda parte destacam-se as contribuições das áreas do conhecimento para a Educação Básica e a Formação Integral.
A Formação Integral tem assumido papel cada vez mais central no debate sobre os pressupostos e finalidades da Educação Básica no Brasil. Quanto mais integral a formação dos sujeitos, maiores são as possibilidades de criação e transformação da sociedade.
A busca pela Formação Integral é, portanto, parte da experiência humana qual as escolarizações vão ocupando lugar central. A educação, é nesse sentido, expressão do desejo e do direito humano fundamental.
A grande questão em pauta, então não é a vontade ou a importância de Formação Integral como projeto educacional, mas a reconfiguração da escola e do currículo escolar necessária para a sua materialização.
A noção de currículo integrado se torna fundamental, onde expressa a intencionalidade coletiva da ação pedagógica nos planos de ensino e aprendizagem, compondo um currículo mais orgânico, quando tomamos a Educação Integral em uma perspectiva histórico-cultural, haverá formação que considere a emancipação, a autonomia e a liberdade para sua cidadania ativa e crítica onde o conhecimento é um artefato humano produto e produtor da cultura, conectando a realidade ao sujeito.
O ponto de partida é o sujeito, que nas experiências de vida e nas relações com os outros sujeitos, faz apropriações do mundo mediadas por diferentes linguagens. Esse sujeito tem o direito a uma formação que tome todas as dimensões que constituem o ser humano, havendo a promoção do diálogo entre as diferentes áreas do conhecimento, escolhas teórico-metodológica, reconhecimento da diversidade e da democratização da gestão e dos processos educativos. No conjunto desses movimentos a articulação entre as áreas do conhecimento torna-se fundamental, contribuindo na formação mais completa dos sujeitos na medida em que sugerem a organização de trabalhos pedagógicos nos quais diferentes componentes curriculares possa dialogar e compartilhar conhecimento para haver assim Formação Integral.
A PC desenvolvido pela escola estrutura em torno da organização escolar curricular e é desenvolvida levando-se em conta os diferentes elementos da cultura e de cada indivíduo e suas capacidades.
Dessa forma todas as atividades desenvolvidas pela escola devem levar em conta a realidade da comunidade escolar. Por isso, ao desenvolver o processo de elaboração do Projeto Político Pedagógico da escola deverão contemplar não somente as atividades de ensino e educação, mas envolver de forma igualitária todos os sujeitos, incluindo adultos, idosos mas priorizando de zero a dezessete anos.
Como a formação do aluno se do tanto ao longo da vida, faz-se necessário promover diálogo com os diferentes aspectos da cultura, para promover a ampliação e complexidade de seus conhecimentos e conceitos.
O professor na sala de aula trabalha com diferentes formas de pensamento, por isso o papel dele é mediar esse conhecimento, através de atividades que permitam compreender se o conteúdo está sendo entendido aprendido ou não, e as medidas, ações necessárias para redirecionar a busca de um nível avançado do conhecimento.
O trabalho pedagógico tem por objetivo ampliar os conceitos culturais já existentes sem negar aquilo que já sabem, e com isso lhes permitir analisar o modo de ser e estar no mundo.
A proposta pedagógica deverá ser atualizada constantemente, tendo em vista os desafios e as diferenças que marcam os sujeitos, na diversidade em que se constituem.
A Proposta curricular de Santa Catarina foi organizada e pautada de acordo com a teoria-cultural e da atividade. Nesta teoria, evidencia-se as características humanas que foram constituídas historicamente levando em consideração a singularidade do sujeito relacionado a sua própria humanidade.
Nos processos de desenvolvimento relacionados ao ser humano, a vivência em grupo, desenvolve a necessidade de organizar atividades práticas e a interagir de maneira constante. A linguagem que é uma possibilidade nesse processo, faz com que haja no ser humano, o desenvolvimento das funções psicológicas superiores, tais como, atenção, memoria, representação etc. estas funções auxiliam na estruturação da consciência do pensamento humano e possibilitam operações abstratas.
A natureza humana não é dada de forma biológica, conforme constante na Proposta Curricular do Estado de Santa Catarina, mas é produzida a partir do percurso formativo de cada novo ser, já que a humanidade é forjada social e historicamente nas relações intersubjetivas e, constantemente, nos processos de mediação.
A mediação permite que as gerações anteriores viabilizem as novas gerações, o conhecimento e os traços culturais deixados pelas culturas antecedentes, articulando a estes o conhecimento vigente de suas produções e vivências.
É através da apropriação cultural, por intermédio da linguagem, que os sujeitos desenvolvem aspectos emocionais, cognitivos, psicológicos e sociológicos de maneira a se tornarem elementos significativos da conduta, percepção, linguagem, pensamento e consciência.
As funções psicológicas superiores surgem primeiramente na esfera social. Em um momento posterior, tais funções se constituem em atividades individuais como propriedades internas do pensamento. A função dos profissionais que atuam na Educação Básica é organizar e planeja atividades voltadas para as interações e os processos de mediação para que cumpram com a função que lhes cabe em meio as sociedades contemporâneas.
As atividades organizadas no espaço escolar são direcionadas a um objetivo, implicando no estabelecimento de reações conscientes com ou a partir de dada atividade. A organização de uma proposta curricular deve visar o ensino, assegurando a singularidade de cada um, independentemente da idade cronológica.
A proposta curricular por interesses e necessidades de todos, tendo em vista sua formação integral.
Salienta-se que a compreensão da aprendizagem e o desenvolvimento humano são processos sobrepostos. A elaboração conceitual do trabalho pedagógico, ampara o desenvolvimento das funções superiores da consciência e que consta do resultado de conceitos cotidianos e sistematizados. O objetivo de tal conhecimento, reflete nas ações educativas dentro do espaço escolar, como forma de aprofundar e amplificar a capacidade de compreensão e ação voltada para o sujeito.
O conceito estabelece relações didáticas de compreensão da realidade e resultada das relações sociais entre indivíduos.
Grupos diferentes desenvolvem conceitos diferentes e podem ser divididos em conceitos cotidianos que surgem a partir das experiências sensoriais e estabelecem-se como as primeiras explicações do entendimento e da ação sobre a realidade. Já o conceito sistematizado que resulta de ações intencionais e claramente objetivadas abre a possibilidade de reestruturação necessária para dominar as propriedades do conceito que estão imersos num processo de continua interação para desenvolver mudanças estruturais.
É na generalização dos conceitos que se torna possível que os conhecimentos fragmentados pelos diferentes componentes curriculares encontrem o espaço e a forma a oferecer uma compreensão totalizada da realidade analisada.
Por meio das atividades de estudo, de organização social, de desporto, de artes, desenvolvem-se nos sujeitos a superação das necessidades relacionadas ao trabalho, à profissão e outras vistas em meio ao espaço social.
A estruturação das atividades pedagógicas na Educação Básica serão frutos do entendimento que se tem sobre o desenvolvimento humano. Tendo em vista a importância para o desenvolvimento das diferentes capacidades humanas, podemos reiterar que a importância dos jogos protagonizados para o desenvolvimento das crianças em idade pré-escolar deva ser constituir em atividade curricular. Os jogos continuam sendo fundamentais para o desenvolvimento e não perdem sua importância quando ela, aos seis anos, ingressa no Ensino Fundamental.
Estes aspectos contribuem para a seleção das metodologias a serem adotadas no planejamento do trabalho pedagógico em diferentes modalidades.
Seriam, assim, atividades principais e não as etapas da educação básica que definiriam as estratégias metodológicas a serem adotadas para a consecução dos objetivos educacionais tendo em vista a formação integral dos diferentes sujeitos acolhidos em toda Educação Básica. 
Enquanto escola precisamos priorizar a realidade do aluno para construir um projeto que atenda aos interesses, da comunidade escolar. Contribuindo assim para a construção da identidade dos educandos, trabalhando em meio as diferenças de cada aluno.
A partir desse entendimento, a escola tem o compromisso de se relacionar com outras instituições para desempenhar seu papel social e isto deve estar explicito no PPP. O PPP é um termo político que deve ser construído coletivamente, sendo assim um elo de ligação entre pais, alunos e comunidade. Neste documento deve ser abordado a concepção que a escola segue, seus objetivos para conseguir detectar os problemas existentes e buscar soluções possíveis.
Um dos grandes problemas encontrados é a defasagem de alunos devido a retenção escolar, principalmente nas escolas do campo onde há falta de incentivos para os alunos concluírem as series finais de E.F e o E.M.
O currículo escolar consiste em repensar tempos, espaços e formas de aprendizagem para desenvolver uma educação integral, fazendo com que os educandos relacionando os conhecimentos teóricos com a sua prática.
A seriação é uma forma de organização do tempo e a maneira do professor organizar os conteúdos conforme a faixa dos alunos, mas é preciso respeitar o tempo de aprendizagem de cada um. Sendo que um ponto negativo da seriação é a progressão automática.
A avaliação é essencial no processo formativo, é a partir dela que o educador consegue diagnosticar os resultados de aprendizagem e ter um olhar reflexivo e crítico de sua pratica buscando novas práticas que atendam às necessidades de cada aluno. Ou seja, a avaliação deve servir como instrumento de inclusão e não de classificação ou exclusão.
É necessário que faça registros, relatos e conselhos de classe coletivos para expor os resultados alcançados. Além disso, há também outras propostas de avaliação como prova Brasil, PISA e ENEM.




Cursistas:

Cleusa Maria Trevisol Cadore;
Ivanete Romio Arconti;
Denise Vicentini;
Claudete Faust;
Eliara Maria Bandiera;
Neuri Schneider;
Tania Fatima De Rocco;
Sandra Rodrigues da Silva Isotton;
Solange Turani;
Valdecir Dill;

Vera Lucia Schmitz;

dia da família na escola

No dia 16 de maio de 2015 realizou-se nas dependências da E.E.B. Ouro Verde em parceria com o SESC o dia da família na escola. Ao primeiro momento projetaram-se as atividades desenvolvidas durante os anos anteriores envolvendo a comunidade escolar, apresentações dos alunos para a família, e os pais, alunos, professores, foram convidados a participar de atividades com brinquedos gigantes tais como: twister, pega varela, jogo da velha, dominó, jogos de tabuleiro, cama elástica. Vários pontos positivos foram observados, pois ouve a participação e a interatividade dos pais com seus filhos em todos os jogos e atividades propostas.